segunda-feira, 19 de abril de 2010

Galileu e a queda dos Graves

Aristóteles observou que se se deixarem cair, próximo da superfície terrestre, dois corpos maciços de igual natureza e com a mesma forma, o maior e mais pesado chega primeiro ao chão. Os corpos com maior peso cairiam, segundo Aristóteles, mais rapidamente. A velocidade de queda seria proporcional ao peso.
Galileu opôs-se a Aristóteles na questão da queda dos graves e as suas ideias foram adoptadas pelos estudiosos de então.
Galileu Galilei afirmou que não existe nenhum motivo para que, no vazio, corpos diferentes tenham tempos de queda diferentes. Por volta de 1509, num manuscrito em latim só bastante mais tarde publicado, Galileu, sem piedade para com Aristóteles, escreveu o seguinte:
"O ridículo da opinião de Aristóteles é mais claro do que a luz. Quem vai acreditar, por exemplo, que se duas esferas de chumbo forem largadas da órbita da Lua, sendo uma cem vezes maior do que a outra, a maior chegue à Terra numa hora, enquanto a menor leva cem horas no seu movimento? Ou se duas pedras forem lançadas ao mesmo tempo de uma torre alta, tendo uma o dobro do tamanho da outra, quem vai acreditar que a mais pequena vá a meio do caminho quando a grande está a chegar ao chão?"
A sua maior contribuição para a ciência está no estabelecimento das bases do pensamento científico moderno, o método experimental. É por isso que Galileu Galilei é considerado o pai da Física.
Adaptado de "Aristóteles, Galileu e a Queda dos Graves", de Carlos Fiolhais e João Paiva, Departamento de Física da Universidade de Coimbra.
Porque é que Galileu está a usar um fato de astronauta?
Clica na imagem para descobrires!