quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Nascimento de linces - Centro de Recuperação em Cativeiro do Lince-Ibérico, em Silves

No Centro de Recuperação em Cativeiro do Lince-Ibérico, em Silves, nasceram este ano 17 crias, elevando para 33 o número de animais na herdade algarvia. Os bichos estão agora a ser treinados para conseguirem sobreviver na natureza, quando for altura de os soltar.

Uma breve história sobre a evolução

quarta-feira, 25 de julho de 2012


Aranhas, sapos, escaravelhos e outros rastejantes não são conhecidos pela sua beleza. Mas o fotógrafo Igor Siwanowicz, um apaixonado por estes animais, está a tentar mudar a maneira como o mundo olha para eles.
De câmara em punho, e com uma grande dose de paciência – Siwanowicz confessa que não são os melhores modelos fotográficos – captou algumas das melhores fotografias que se conhecem destes pequenos animais.
“Encorajo as pessoas a honrar todas as formas de vida e encarar olhos nos olhos as coisas que à partida consideram repugnantes e assustadoras. E, desse modo, descobrir a beleza que há nelas”, afirma o fotógrafo.
O trabalho é moroso já que em cada 200 fotografias, apenas uma é aproveitada.
“Trabalhar com criaturas pouco cooperantes é um grande desafio. Eles não posam para nós, só fazem o que lhes apetece”, conta Siwanowicz que percorreu países como Indonésia e África do Sul em busca das melhores fotografias. 











O avião solar que percorreu 6 mil quilómetros


Nunca nenhum avião a energia solar tinha conseguido percorrer tamanha distância numa viagem intercontinental sem recorrer a combustível. O recorde foi batido ontem, dia 24 de Julho, às 20h30, depois de uma viagem de 6 mil quilómetros.
Foi a essa hora que o “solar impulse HB SIA”, que se move com o recurso a energia produzida por 11628 painéis fotovoltaicos colocados sobre as asas de fibra de carbono, aterrou em Rabat, Marrocos.
Já a 6 de Junho tinha-se tornado no primeiro aparelho a energia solar a completar uma viagem intercontinental. O avião percorre 800 quilómetros por jornada a uma velocidade de 70 km/hora.
Um projecto futuro é dar a volta ao mundo sem necessitar de aterrar para abastecer. 





Experiência Pode acreditar: isto é como a água reage ao som

O processo é mais simples do que a beleza das imagens faz prever. Amraj Lalli viu na internet muitas fotos e vídeos de brincadeiras com água e quis fazer o mesmo. No vídeo experimental que publicou na plataforma Vimeo, vê-se como um pouco de água (que tratou com pigmentos de cor), reage em cima de uma plataforma de borracha à música “Doppelganger”, dos Jaga Jazzist. “O som cria ondas na água que formam incríveis padrões e texturas”, escreveu Amraj Lalli para explicar o resultado desta sua experiência.

Medusa feita em laboratório já sabe nadar

Os bioengenheiros da Universidade de Harvard fizeram uma medusa artificial usando silicone e células do músculo do coração de um rato. A criatura parece uma flor com oito pétalas e, quando colocada num campo eléctrico, nada exactamente como um animal verdadeiro. O projecto, liderado pelo biofísico Kit Parker, pretende criar modelos artificiais de tecidos do coração humano para regenerar órgãos e testar drogas. A ideia de construir uma medusa, para analisar as bombas musculares, surgiu-lhe em 2007, quando estava a visitar um aquário em Boston. Primeiro mapearam as células do corpo de medusas-da-lua para saber como é que elas nadam. Para reproduzir o formato do animal, cultivaram uma camada de músculo de coração de rato sobre uma folha de silicone. Quando um campo eléctrico passa pela estrutura, o músculo contrai rapidamente. Depois, o silicone, devido à sua elasticidade, regressa à forma plana. Até ser novamente atingido por uma descarga eléctrica. Dentro de água, esse movimento imita perfeitamente o impulso das medusas. A equipa agora pretende construir uma medusa artificial com células de um coração humano. Serviria para experimentar novos medicamentos. "Deixem-me colocá-los na minha medusa e eu digo-lhes se aumentam o bombeamento do coração", diz Kit Parker. Agora estão a pensar construir outros animais marinhos artificiais. Já foi encomendado um polvo.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Dissecação do olho da vaca

clica na imagem ou aqui

domingo, 29 de janeiro de 2012

Dissecação virtual do sapo

clica na imagem ou aqui

Dissecação do Salmão

clica na imagem ou aqui

Ciência divertida

clica aqui


Helicóptero de papel. Porque é que ele roda? ( vídeo )

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Grou-comum

Os grous são aves de grande porte, geralmente com plumagem em tons de cinzento, branco e castanho. As penas secudárias das asas são muito longas e viradas para baixo, uma característica do grupo. Algumas espécies apresentam plumas ornamentais na região da cabeça. O bico é comprido e direito, o pescoço é longo bem como as patas. Os quatro dedos são curtos, estando o quarto elevado em relação aos outros.
Os grous são aves gregárias, que comunicam entre si através de vocalizações ruidosas (para ouvir)

Ciclo da Água - Jogos

Clica na imagem ou no link

clica na imagem ou no link

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Animações do Canhão da Nazaré


Canhão Submarino da Nazaré

O Canhão ou Cana da Nazaré é conhecido como o maior da Europa e um dos maiores do Mundo (com a cabeceira situada a curta distância da linha de costa, o Canhão da Nazaré estende-se ao longo de mais de 200 km na direcção do oceano profundo) e só recentemente começou a ser estudado de forma multidisciplinar, pelo projeto Hermes (programa que reúne equipas de diversos organismos de investigação cientifica de toda a Europa), financiado pela UE. O projeto prevê o levantamento minucioso do fundo do mar, com identificação de correntes, sedimentos e biodiversidade para tentar ajudar a perceber um dos mistérios do mar português.
O vale submarino começa a definir-se a cerca de 500 metros da costa, ao largo da Praia da Nazaré, próximo do promontório do Sítio, recortando a plataforma continental com uma direcção de EW. Prolonga-se por mais de 170km de comprimento e atinge uma profundidade superior a 5000 metros na planície abissal onde desemboca. Mas a sua origem é uma incógnita, porque, normalmente, estas estruturas estão associadas a grandes rios, servindo de vazadouros dos seus sedimentos, o que não acontece, de forma imediata e aparente, no caso da Nazaré. Há estudos que indicam a existência, noutras eras geológicas, de um rio aqui, possivelmente o Mondego que, por movimentos tetónicos, poderá ter sido desviado para norte.
Este autêntico «desfiladeiro» submarino influencia, de uma forma significativa, a plataforma continental e a região costeira, bem como, as espécies e os ecossistemas específicos do próprio canhão e o transporte de sedimentos das zonas costeiras para o largo. O canhão funciona como um gigantesco aspirador de areia, que engole o areal da costa portuguesa, principalmente os sedimentos provenientes da costa a norte da Nazaré. Tal facto explica o défice de sedimentos a sul do canhão e o elevado areal das praias a norte deste fenómeno geológico.
O Canhão da Nazaré é palco de processos dinâmicos e sedimentares extremamente energéticos e ainda pouco conhecidos, e pode constituir um local de refúgio que potencie o estabelecimento de ecossistemas marinhos profundos específicos, que importa conhecer.

Praia do Norte - Nazaré (Onda de 30 metros)